Quinta-Feira 23/05/2024 09:23

Avante, meninas do Brasil: a história revela que já somos vencedoras

Mundo - Brasil - Comportamento - Futebol Feminino

Proibidas de jogar futebol pelos clubes, durante várias décadas, as brasileiras venceram preconceitos e hoje, unidas por propósitos de igualdade de gênero e valorização, revelam ao mundo a sua garra

 

Por Anália - Colunista

Contar a história do futebol feminino brasileiro é mais do que lembrar gols, vitórias, derrotas, lances marcantes e seus personagens. É falar sobre preconceito, desigualdade de gênero, resistência. E celebrar uma trajetória de alcance impressionante: em apenas um século de existência, o futebol entre mulheres passou de atração de circo a celeiro de talentos para o mundo.

A história do esporte no Brasil se assemelha à europeia. Até a década de 40, o futebol feminino era praticado longe de clubes ou grandes ligas, embora os registros das primeiras partidas tenham ocorrido em 1921 – como forma de entretenimento durante uma celebração de festa junina em São Paulo.  Apesar de ainda não ser proibida, a modalidade era considerada violenta e ideal apenas para homens.

Uma rápida pesquisa iconográfica revela imagens e notas de jornais que apresentam a prática desta modalidade esportiva, ainda de forma muito tímida, no Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Norte. Parece até inusitado, mas registros apontam que o circo traz algumas das primeiras referências do uso das palavras “futebol feminino” – então tratado como uma performance, um show, e não como partida esportiva.

Não são encontrados registros históricos sobre a existência de uma seleção feminina até os anos 1940, mas a partir desta década começou a se delinear um cenário de mudanças. Jogos que ocorreram em São Paulo, no estádio do Pacaembu, provocaram uma reação extremamente negativa da sociedade naquela época. A visibilidade da prática esportiva mobilizou a opinião pública e autoridades para assegurar a proibição legal daquele tipo de evento.

A primeira proibição ocorreu por meio de um processo de regulamentação do esporte no Brasil. Criou-se o CND (Conselho Nacional de Desportos), então sob a alçada do Ministério da Educação. Em 1941, debatia-se muito a profissionalização e o amadorismo nas práticas esportivas.  Foi assim que a temática dos esportes femininos se tornou uma demanda do CND, instituída por decreto-lei (3199, art. 54). Vale ressaltar que o texto, de caráter preconceituoso, trazia de forma mais geral que as mulheres não deveriam praticar esportes que não fossem adequados à sua natureza. 

No final da década de 70 foi revogado o decreto-lei que proibia, terminantemente, as mulheres de jogarem futebol. O fim da proibição, no entanto, não promoveu avanços significativos. O futebol feminino não recebeu estímulo de clubes e federações, e muito menos apoio da sociedade brasileira. Continuou sem regulamentação e seguiu enfrentando proibições, preconceito e todos os tipos de conflitos.

A modalidade só foi regulamentada em 1983. A partir desta data é que  foram inauguradas competições oficiais, agendas esportivas, utilização de estádios, e o futebol feminino passou a ser ensinado e praticado também nas escolas. 

Cinco anos depois, em 1988, a Fifa realizou, na China, um Mundial de caráter experimental, “Women’s Invitational Tournament”. A seleção feminina brasileira participou da competição, formada por atletas dos times Radar (Rio) e o Juventus (SP). As jogadoras viajaram sem uniforme para o Mundial, usando as sobras das roupas dos homens que jogavam na seleção do Brasil.

Importante ressaltar que este foi um torneio que serviu de pontapé para o desenvolvimento da modalidade feminina em todo o mundo. Doze seleções participaram do campeonato, e o Brasil ficou com bronze nos pênaltis.

A primeira medalha em Copas do Mundo veio em 1999. O futebol feminino brasileiro ganhou terceiro lugar nos jogos realizados nos Estados Unidos. Ainda tratada com muito amadorismo e desrespeito, a seleção se superou. O Brasil acabou perdendo a semifinal para os EUA, mas ganhou da Noruega nos pênaltis, na disputa pelo bronze. 

No ano de 2007 houve um novo suspiro de esperança em relação ao futebol feminino no Brasil. Em setembro, na China, o Brasil ficou com a segunda colocação na Copa do Mundo feminina, perdendo para a Alemanha na decisão. 

Em 2019, ano de Copa do Mundo, inicia-se uma nova realidade no futebol feminino. Os clubes começaram a cumprir a obrigatoriedade de  manter times formados exclusivamente por mulheres. O futebol feminino ganha corpo.

Um novo capítulo desta história começa a ser contado agora, a partir de 2023, ano em que o futebol feminino revela a potência das mulheres brasileiras que, unidas por propósitos de igualdade de gênero, respeito e valorização, revelam ao mundo a sua garra. 

Avante, meninas do Brasil! Vamos juntas em direção às nossas conquistas. A história revela que já somos vencedoras.

 

* Anália: Colunista independente/IstoÉ, escritora, psicóloga, pesquisadora, mestra e doutora pela Universidade de São Paulo (USP)...

IstoÉ

Brasil, Copa do Mundo, futebol feminino

Compartilhar faz bem!

Eventos

  • Café da Manhã da FAEMS

    Café da Manhã da FAEMS

    Cidade:Campo Grande
    Data:19/09/2011
    Local:ACICG - Associação Comercial de Campo Grande

Veja Mais Eventos

Balcão de Oportunidades / Empregos(Utilidade Pública)

Não é cadastrado ainda? Clique aqui

Veja todas as ofertas de vagas

Cotações

Indisponível no momento

Universitários

Serviço Gratuito Classificados - Anúnicios para Universitários
Newsletter
Receba nossa Newsletter

Classificados

Gostaria de anunciar conosco? Clique aqui e cadastre-se gratuitamente.

  • Anúncios

Direitos do Cidadão

Escritório Baraúna-Mangeon Faça sua pergunta
  • Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatá...Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatária aqui em Cuiabá, levou muita grana nossa, e uma eco esporte. Ela se chama LEUNIR..., como faço pra denunciar ela aí nos jornais?Resp.
  • Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um...Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um eo outro parcial ja faz um bom tempo que nao trabalha e estava recebendo auxilio doença mas foi cancelada e ja passou por duas pericias e nao consegui mais , sera que tem como ela aposentar?Resp.
  • quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje out...quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje outbro de 2013Resp.
  • meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 ...meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 a zero caso ele tenha alguma condenacao esse 2 anos e meio pode ser descontadoResp.
  • gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilota...gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilotar maqunas agricolas?? se tiver como fasso pra me escreverResp.
+ Perguntas

Espaço do Leitor

Envie sua mensagem:
Sugestões, críticas, opinião.
  • iraci cesario da rocha rocha

    Procuro minha irmã Creusa Maria Cesario ela era de Dracena SP , minha mãe esta idosa 79 anos precisa ver ela se alguem souber nos avisa ..contato 018 996944659 falar com Iraci ..minha irmã foi vista nessa região

  • iraci cesario da rocha rocha

    Boa noite , estou a procura da minha irmã Creusa Maria Cesario desapareceu ha 30 anos , preciso encontrar porque minha mãe esta com 79 anos e quer ver , ela foi vista ai por essa região , quem souber nos avise moramos aqui em Dracena SP

  • maria de lourdes medeiros bruno

    Parabéns, pelo espaço criado. Muito bem trabalhado e notícias expostas com clareza exatidão. Moro na Cidade de Aquidauana e gostaria de enviar artigos. Maria de Lourdes Medeiros Bruno

  • cleidiane nogueira soares

    Procuro por Margarida Batista Barbosa e seu filho Vittorio Hugo Barbosa Câmara.moravam em Coração de Jesus MG nos anos 90 .fomos muito amigos e minha família toda procura por notícias suas.sabemos que voltaram para Aparecida do Taboado MS sua cidade natal

  • Simone Cristina Custódio Garcia

    Procuro meu pai Demerval Abolis, Por favor, me ajudem.Meu telefone (19) 32672152 a cobrar, Campinas SP.

+ Mensagens