Segunda-Feira 22/07/2024 15:56

A economia da troca de favores (parte III)

Brasil - Opinião - Uma Realidade

 

Por Agnaldo Holanda*

(Nos textos anteriores mencionamos uma tendência, em determinados lugares, de as pessoas a tudo quererem agregar um “favor”, para cobrá-lo mais tarde [mesmo que o favor de fato não exista], fazendo a vida prática girar em torno dos favores; e depois abordamos os efeitos maléficos disso: visando acumular créditos, ou senão para pagar favores recebidos, o indivíduo muitas vezes deixa corromper seu senso ético, cometendo injustiças e realizando favorecimentos desleais. E quando essa prática ultrapassa os limites do individual e se instala na esfera do coletivo?)

O leitor e leitora, de certo modo, já têm a resposta à pergunta retórica feita acima. Porque sabemos que instituições, entidades, empresas, entes jurídicos de forma geral, todos eles não existem por si só: há pessoas por trás, ou à frente, no comando. Uma grande empresa ou entidade de grande porte costuma ter na liderança um presidente, um gestor. É essa pessoa que determina o norte, o parâmetro a seguir, o regime de comportamento e de atitudes a adotar pelos demais integrantes. De modo que, estando essa pessoa no papel de líder imiscuída na economia da troca de favores, é indiscutível que procurará pôr por a estrutura da instituição, entidade ou empresa que comanda a serviço desse seu círculo – que costuma ser grande.

Exemplificando, digamos que em uma cidade interiorana exista um órgão público para distribui pães entre a população. Sim, uma padaria municipal. A população é composta de 10 mil habitantes, mas a produção diária dessa padaria é de 3 mil pães. E não há critérios mais definidos sobre quem pode ter acesso ao pão grátis – basta ir até a padaria, cada habitante pode retirar 1 pão, assinar o livro e isso até acabar o último pão, no horário limite das 10 da manhã.

A economia da troca de favores, vigorando entre os indivíduos, faz com que os funcionários do forno e do balcão, por exemplo, criem hábitos escusos de (a) reservar os melhores pães para aqueles seus conhecidos; (b) burlar eventualmente as regras, concedendo mais de um pão a um só indivíduo; (c) beneficiar um ou outro do seu círculo, quando a pessoa chega ao local passando já das 10 horas, horário limite; (d) facilitar as coisas para alguém “furar” a fila. Em termos gerais, quem entre nós nunca teve a decepção de, esperando pacientemente em um órgão público ou afim, ver chegar uma figura cara-de-pau e furar a fila, porque um tem um amigo ou conhecido que trabalha ali e lhe facilita isso?

Voltando: O encarregado, chefe ou gerente dessa padaria municipal, por sua vez, participa dessa economia de troca de favores, em primeiro lugar, tolerando complacentemente os desvios de conduta dos seus subalternos – ele ganha, com isso, moedas em favores para descontar futuramente desses mesmos subalternos; e estes ficam “devendo favor” ao chefe. Mas esse encarregado da padaria municipal também participa da economia em nível exterior à padaria: Ele pode, entre outras coisas, estabelecer contratos fraudulentos com fornecedores, prestadores de serviço – em princípio não para tirar disso vantagem pecuniária (obter dinheiro para si); talvez o faça para o fornecedor (para o qual deve favor) restabelecer fundo de caixa, sanar problemas financeiros para o fornecedor se manter no mercado e continuar vendendo produtos ou matéria-prima à padaria. A alegação do gerente da padaria nesse caso, seja para si próprio, para sua consciência, para a família que acompanha suas ações... é de que ele não está “roubando” – apenas retribuindo um favor.

O leitor e a leitora, que não são nada bobos eu sei, já percebem o que no fim das contas isso acaba representando ou aonde isso tudo termina descambando, não é mesmo? Corrupção, jeitinho, suborno, concussão, prevaricação, e por aí vai, cada termo aplicado a um caso específico, mas todos eles semelhantes em seu âmago: beneficiar a uns em detrimento de outros, quase sempre em favor de um amigo, ou amigo de um amigo, ou porque em razão da prática costumeira outras pessoas ficaram sabendo e de um momento para outro a amizade ou o débito em favores já deixou de ser requisito – mas o desvio de conduta, mesmo mediante paga, aos olhos de quem o comete ainda parece um favor que possa futuramente ser cobrado.

Agora, imaginemos que, digamos, dez indivíduos interligados por essa economia de troca de favores, devedores e credores entre si de favores de pequeno ou de grande vulto, se instalem na direção de importantes instituições de uma cidade, ou de um estado, ou de um país? Significa só prejuízo para a sociedade. São aqueles casos em que braços de instituições nobres como Promotoria de Justiça e Tribunal de Contas se unem para prejudicar um ou outro candidato a cargo público, porque há favores em jogo em relação ao candidato adversário; delegacias de polícia e entes públicos se aliam a uma empresa para acobertar irregularidades, quando não com o apoio direcionador de um poderoso órgão de imprensa. Vejam, por exemplo, o recente caso da destruição de um vilarejo em Mariana (MG) – a cobertura da imprensa só passou a atribuir um mínimo de culpa à empresa mineradora após a enxurrada de manifestações nas redes sociais (maior ainda que a enxurrada de lama que a empresa deixou vazar). Adivinha o que está por trás da criminosa falha, em manter uma mineradora funcionando mesmo com a recomendação do Ministério Público para que parassem as operações, dados os riscos de desabamento iminente das barragens? Favores e favores.

Enfim, quero concluir que a economia da troca de favores pode parecer inocente de início, mas no fundo é grande motivadora do desrespeito aos direitos individuais e coletivos. É ela que está no cerne de muitos crimes contra o interesse popular. Trata-se, no fundo, de um verdadeiro mal que a sociedade precisa combater, muito mais que os próprios crimes.

Como fazer isso em locais em que desde sempre tudo é calcado no coronelismo, no toma-lá-dá-cá, em que todos querem ser os protegidos, como é por exemplo aqui na nossa região? Boa pergunta. Mas há várias respostas. E todas elas levam à ação. Você já pensou bem sobre isso?

(Foto - Lama após rompimento da barragem em Mariana -MG) : “É a lama, é a lama...”, já dizia a letra de uma famosa canção. A economia da troca de favores está por trás de acidentes como o no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG).

 

*Agnaldo Holanda: Formado em Letras Clássicas pela USP, escreve e lê por gosto e ofício: atua como redator e editor. É aluno concluinte de Direito na UEMS-Paranaíba; reside em Aparecida do Taboado. Contato: agnaldoholanda@gmail.com.

 

 

Autor / Mshoje.com

Compartilhar faz bem!

Eventos

  • 1º Encontro dos Amigos da Empaer

    1º Encontro dos Amigos da Empaer

    Cidade:Dourados
    Data:29/07/2017
    Local:Restaurante / Espaço Guarujá

  • Caravana da Saúde em Dourados II

    Caravana da Saúde em Dourados II

    Cidade:Dourados
    Data:16/04/2016
    Local:Complexo Esportivo Jorge Antonio Salomão

Veja Mais Eventos

Balcão de Oportunidades / Empregos(Utilidade Pública)

Não é cadastrado ainda? Clique aqui

Veja todas as ofertas de vagas

Cotações

Indisponível no momento

Universitários

Serviço Gratuito Classificados - Anúnicios para Universitários
Newsletter
Receba nossa Newsletter

Classificados

Gostaria de anunciar conosco? Clique aqui e cadastre-se gratuitamente.

  • Anúncios

Direitos do Cidadão

Escritório Baraúna-Mangeon Faça sua pergunta
  • Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatá...Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatária aqui em Cuiabá, levou muita grana nossa, e uma eco esporte. Ela se chama LEUNIR..., como faço pra denunciar ela aí nos jornais?Resp.
  • Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um...Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um eo outro parcial ja faz um bom tempo que nao trabalha e estava recebendo auxilio doença mas foi cancelada e ja passou por duas pericias e nao consegui mais , sera que tem como ela aposentar?Resp.
  • quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje out...quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje outbro de 2013Resp.
  • meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 ...meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 a zero caso ele tenha alguma condenacao esse 2 anos e meio pode ser descontadoResp.
  • gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilota...gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilotar maqunas agricolas?? se tiver como fasso pra me escreverResp.
+ Perguntas

Espaço do Leitor

Envie sua mensagem:
Sugestões, críticas, opinião.
  • iraci cesario da rocha rocha

    Procuro minha irmã Creusa Maria Cesario ela era de Dracena SP , minha mãe esta idosa 79 anos precisa ver ela se alguem souber nos avisa ..contato 018 996944659 falar com Iraci ..minha irmã foi vista nessa região

  • iraci cesario da rocha rocha

    Boa noite , estou a procura da minha irmã Creusa Maria Cesario desapareceu ha 30 anos , preciso encontrar porque minha mãe esta com 79 anos e quer ver , ela foi vista ai por essa região , quem souber nos avise moramos aqui em Dracena SP

  • maria de lourdes medeiros bruno

    Parabéns, pelo espaço criado. Muito bem trabalhado e notícias expostas com clareza exatidão. Moro na Cidade de Aquidauana e gostaria de enviar artigos. Maria de Lourdes Medeiros Bruno

  • cleidiane nogueira soares

    Procuro por Margarida Batista Barbosa e seu filho Vittorio Hugo Barbosa Câmara.moravam em Coração de Jesus MG nos anos 90 .fomos muito amigos e minha família toda procura por notícias suas.sabemos que voltaram para Aparecida do Taboado MS sua cidade natal

  • Simone Cristina Custódio Garcia

    Procuro meu pai Demerval Abolis, Por favor, me ajudem.Meu telefone (19) 32672152 a cobrar, Campinas SP.

+ Mensagens